Conheça mais sobre a espécie

Tubuna

Nome científico: Scaptotrigona bipunctata

Nomes populares: Tubuna, Abelha-coco

Ocorrência: A abelha Tubuna é encontrada em Minas Gerais, no Rio Grande do Sul, em São Paulo, no Paraná e em Santa Catarina.

Morfologia: Essa espécie possui coloração negra e brilhante, com as asas bem negras, ou fumadas, e o abdômen negro, com 2 pontos na cor prata (ou 1 listra prata).

Ninho: A entrada do ninho da abelha Tubuna possui forma de funil e é construída com cerume escuro. Essa espécie não fecha a entrada à noite, como algumas meliponas o fazem. Os favos de cria são construídos helicoidalmente, mas também podem ser construídos horizontalmente. Há construção de células reais. O invólucro de cerume, que envolve o favo de cria, é pouco desenvolvido em relação as outras espécies de abelhas sem ferrão. Os potes de alimento, mel e pólen, podem atingir de 2,5 a 3,0 cm de altura e circundam o favo de cria. A colônia da Scaptotrigona bipunctata pode alcançar uma população de 2.000 a 50.000 abelhas.

Mel: Embora o seu pequeno porte, a Tubuna é considerada uma grande produtora de mel.

Comportamento: É uma abelha bastante agressiva que, ao ser ameaçada, solta um grude, principalmente nos cabelos, além de mordiscar a vítima com suas mandíbulas. Pode viajar mais de 1 km à procura de uma nova morada: caixas de madeira velha, ocos em arvore e muros. Essa espécie concentra suas atividades pela manhã, evitando forragear nas horas mais quentes do dia. Seu ninho tem o formato da entrada como um tubo, um funil ou uma trombeta.

Vídeo: Abelha Tubuna

Fontes: Embrapa, CPT, USP, WebBee e Wikipédia

Cabeça da abelha Tubuna
Entrada da abelha Tubuna
Ninho da abelha Tubuna

Outras espécies

Veja mais informações sobre outras espécies

Outras espécies

www.000webhost.com