Conheça mais sobre a espécie

Guirá

Nome científico: Geotrigona mombuca

Nomes populares: Guirá

Ocorrência: A abelha Guira é encontrada em áreas de transição entre o Cerrado e a Caatinga. é bastante comum na Bahia, no Goiás, no Maranhão, em Minas Gerais, no Mato Grosso do Sul, no Mato Grosso, no Pará, no Piauí, em São Paulo e no Tocantins.

Morfologia: A Guira possui coloração negra e pilosidade clara, com as asas maiores que a extensão do corpo.

Ninho: A entrada do ninho da abelha Guira é geralmente encontrada em chão batido. Geralmente, há entre três e quatro guardas, na entrada da colmeia, protegendo-a durante o dia. Em torno dela ocorre deposição de torrões de terra, gravetos e outros materiais. O orifício de entrada é circular, com um diâmetro que varia de 0.85 cm a 1.20 cm. Em torno do ninho, há a presença de detritos, como partículas de barro, cascalho, folhas, paus e serragem, em uma pilha que alcança até 14 cm. No período chuvoso, o depósito de paus aumenta bastante, pois isso protege o ninho das fortes chuvas. A entrada do ninho é revestida por cerume, assim como o canal de ingresso. As células de cria são helicoidais. Nessa espécie também há células reais. O invólucro está presente nas células de cria e nos potes de alimento, que são grandes e cilíndricos, e, em condições naturais, podem atingir 7 cm de altura.

Mel: A Guirá produz um mel de boa qualidade.

Comportamento: A Geotrigona mombuca é uma abelha social, mansa, popularmente conhecida como Guira. é uma espécie que nidifica abaixo do solo (constrói ninhos subterrâneos), provavelmente ocupando panelas de antigos sauveiros. De modo geral, o ninho da abelha Guira apresenta estrutura similar à apresentada por outras espécies do mesmo gênero. As colônias da Geotrigona mombuca podem apresentar de 2.000 a 3.000 abelhas.

Fontes: Embrapa, CPT, USP, WebBee e Wikipédia

Outras espécies

Veja mais informações sobre outras espécies

Outras espécies

www.000webhost.com